A importância da caridade nas nossas vidas

A importância da caridade nas nossas vidasNo último dia 6 de agosto, Papa Francisco aproveitou a oportunidade em que os argentinos celebram um dos santos mais importantes para o país – São Caetano – para falar do encontro com Jesus e com o padroeiro do pão e do trabalho e, mais precisamente, do encontro com os carentes, aqueles que precisam de ajuda, de serem vistos com amor, de terem sua dor compartilhada, assim como suas ânsias e problemas.

Em vídeo conferência Francisco disse: “O importante não é olhá-los de longe, ou ajudá-los de longe… Não! É ir a seu encontro; isto é cristão! É isto que nos ensina Jesus: ir ao encontro dos necessitados, assim como Ele ia ao encontro do povo”.

Na mensagem, o Papa ensina o que quer dizer dar esmola: “não é jogar uma moeda sem olhar nos olhos ou sem tocar a mão da pessoa que a pede, porque isso não significa encontro”.

Francisco explica que o ensinamento de Jesus é saber se encontrar e se ajudar; e pede que se edifique, que se crie e se construa uma cultura do encontro. Afirma que encontrar-se com Jesus significa encontrar-nos com quem passa maus momentos, com quem está pior que nós.

Não só a igreja católica evoca o encontro com os irmãos mais carentes. Também os evangélicos e espíritas; os budistas e adventistas; os judeus e cientologistas acreditam que este tipo de encontro com os mais necessitados faz o coração e a fé crescer, porque ele multiplica a nossa capacidade de amar.

Sim, o encontro com o próximo que carece de apoio aumenta nosso coração. A ajuda não precisa ser financeira, assim como a “fome” dos nossos irmãos não é só de pão. Se a atenção pode ser doada por qualquer um de nós, qualquer um de nós é está apto à caridade. Você já se permitiu a realizar o encontro com o irmão que precisa de sua atenção ou apoio?

Veja algumas passagens ditas por Jesus que ilustram a humildade e a caridade, como dois importantes tesouros para guiar nossa busca pela elevação espiritual:

“Bem-aventurados os pobres de espírito, isto é os simples, os humildes, porque deles é o reino dos céus; bem-aventurados os que têm puro o coração; bem-aventurados os que são brandos e pacíficos; bem-aventurados os que são misericordiosos; amai o vosso próximo como a vós mesmos; fazei aos outros, o que gostaria que vos fizessem; amai os vossos inimigos; perdoai as ofensas, se quiserdes ser perdoados; praticai o bem sem ostentação; julgai-vos a vós mesmos, antes de julgardes os outros; não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita”.

Ao recomendar a caridade, Cristo a coloca como condição absoluta para a conquista da felicidade imediata e futura. “A cada um será dado segundo as suas obras”, disse o mestre.

E você, já fez o bem a alguém hoje?