Caso da menina cristã acusada de blasfêmia está chegando ao fim

Caso da menina cristã acusada de blasfêmia está chegando ao fimA polícia paquistanesa deteve um imame (autoridade religiosa islâmica) vinculado ao caso da menina cristã presa por blasfêmia após supostamente queimar folhas do Alcorão, informou o canal de televisão “Geo”.

A detenção aconteceu porque uma testemunha, Hafiz Muhammad Zubair, declarou no sábado que o imame, Khalid Jadoon, falsificou provas contra a menina, Rimsha Masih, ao acrescentar folhas do livro sagrado do Islã às quais supostamente a menor tinha queimado.

Risha se encontra presa desde que no dia 18 de agosto saiu para buscar papel para usar como combustível em sua casa e segundo testemunhas recolheu por erro escritos do Alcorão em um exemplar do Qaida Nurani, um método para aprender a ler o livro sagrado muçulmano.

Desde então permanece na prisão de Adiala, em Rawalpindi, apesar dos protestos de grupos de direitos humanos e organizações religiosas moderadas, e os duros castigos estipulados nas leis antiblasfêmia no Paquistão.

Esses grupos denunciam que as leis antiblasfêmia são com frequência utilizados para resolver querelas pessoais e que a menina, de 14 anos, sofre além disso de uma deficiência mental que a impede de ser plenamente responsável por seus atos.

O caso elevou a tensão entre a maioria muçulmana e a minoria cristã no subúrbio de Mehrabadi, em Islamabad, onde a menor mora e da qual centenas de famílias cristãs fugiram por medo de represálias de radicais islâmicos.

Fonte: Metamorfose Online