Papa Francisco canoniza duas latino-americanas e um grupo de mártires italianos

Papa Francisco canoniza duas latino-americanas e um grupo de mártires italianosNeste domingo, 12 de maio, Papa Francisco I precedeu uma missa para a proclamação de novos santos.

A missa teve início na Praça de São Pedro às 9h30 comunicando assim, os novos santos como a colombiana Laura de Santa Catarina de Sena (1874-1949), italiano Antônio Primaldo com cerca de 800 companheiros leigos e a mexicana Maria Guadalupe Garcia Zavala (1878-1963).

Palavras do Papa Francisco I na missa de domingo sobre as novas santas latino-americanas:

 “Santa Laura Montoya foi instrumento de evangelização primeiro como mestra e depois como madre espiritual dos indígenas, aos quais infundiu esperança, acolhendo-os com esse amor aprendido de Deus e levando-os a Ele com uma eficaz pedagogia que respeitava a sua cultura”.

“Esta primeira santa nascida na formosa terra colombiana ensina-nos a ser generosos com Deus, a não viver a fé solitariamente – como se fosse possível viver a fé isoladamente… Ensina-nos a ver o rosto de Jesus refletido no outro, a vencer a indiferença e o individualismo, acolhendo a todos sem preconceitos nem reticências, com autentico amor, dando-lhes o melhor de nós próprios e sobretudo, partilhando com eles o que mais precioso temos: Cristo e o seu Evangelho”.

“Renunciando a uma vida cómoda para seguir a chamada de Jesus, ensinava a amar a pobreza, para poder amar mais aos pobres e aos enfermos. Madre Lupita ajoelhava-se no chão do hospital, diante dos doentes e dos abandonados, para os servir com ternura e compaixão. E isto chama-se tocar a carne de Cristo. Os pobres, os abandonados, os enfermos, os marginalizados são a carne de Cristo. E madre Lupita tocava a carne de Cristo e nos ensinava esta conduta: não nos envergonharmos, não ter medo, não ter repugnância de tocar a carne de Cristo”.

“Esta nova santa mexicana convida-nos a amar como Jesus nos amou, e isto supõe não nos fecharmos em nós próprios, nos nossos problemas, nas próprias ideias, nos próprios interesses, mas sair e ir ao encontro de quem tem necessidade de atenção, compreensão e ajuda, para lhe levar a calorosa proximidade do amor de Deus, através de gestos concretos de delicadeza e de afeto sincero”.

Fonte: News.Va