Primeiros Mártires da Igreja de Roma

Dia 30 de junho

História: São recordados conjuntamente, neste dia, os inúmeros cristãos que sofreram o martírio em Roma, acusados injustamente pelo imperador Nero de terem incendiado a cidade. Para o último dia de junho, a Igreja reservou a veneração dos PRIMEIROS MÁRTIRES DE ROMA. Antigamente era a festa litúrgica de São Paulo. Foram vítimas do orgulho do imperador Nero. Revestidos de peles de animais, eram lançados aos cães ferozes, crucificados ou queimados vivos, como tochas, à noite, nos jardins do imperador. São venerados desde o começo do cristianismo, porque deles fala a Carta do Papa Clemente I, que viveu no fim do século I e início da era cristã. Como a missa e do ofício de 29 de junho estão consagradas de maneira principal a São Pedro, no dia seguinte se faz uma comemoração especial de São Paulo, portanto, a anotação sobre São Paulo aparece em sua; morreram no mesmo dia. São Paulo, é o “Apóstolo dos Gentios” e do Protetor da família Paulina. Não somente possuímos um análise exterior de seus feitos, proporcionado por seu discípulo São Lucas nos Atos dos Apóstolos, e ainda contamos com as revelações íntimas de suas cartas que, se bem que tinham o propósito de beneficiar aos destinatários, refletem também sua alma. Em sua terceira viagem, entre os anos 52 e 56, logo após atravessar Galacia, retrocedeu caminho para Macedônia onde embarcou para fazer uma quinta visita a Jerusalém. Em Éfeso, ocorreu o distúrbio promovido por Demétrio, o platero e do talhador, quando as prédicas de Paulo arruinaram as lucrativos transações dos mercadores na compra e venda das imagens da deusa Diana. Em Jerusalém foi recebido de maneira indigna e se realizou uma grande comoção popular, quando o Apóstolo fez uma visita ao Templo. Ali foi detido, maltratado e carregado com cadeias. Seu cativeiro em Cesárea durou dois anos. Vendo que não encontravam provas contra e que Paulo exigira seus direitos de cidadão romano, sua causa foi vista pelo próprio imperador, Nero. Foi posto em liberdade. Há provas de que realizou uma quarta viagem. A Tradição diz que a Paulo condenaram-lhe cortando-lhe a cabeça, em Via Ostiense chamado Aquae Salviae (a atual Tre Fontane) perto do local onde hoje vê-se a basílica de São Paulo e onde venera-se a tumba do Apóstolo. É crença comum que São Paulo foi executado o mesmo dia e ano que São Pedro.

Oração: Deus, nosso Pai, os santos são testemunhas da ressurreição de vosso Filho Jesus. Pela fé mostraram que aqueles que crêem em vós viverão para sempre, porque sois um Deus vivo e para os vivos. Essa também é a segurança e a certeza de nossa vida presente: os nossos esforços, o nosso trabalho, a nossa luta em prol da verdade, da paz e da justiça; tudo o que fazemos e somos, tudo o que sonhamos e projetamos, nossas dores e angústias, desencontros e adversidades, tudo em nós e fora de nós, a morte e a vida, tudo ganha sentido em Jesus, vossa Ternura e Misericórdia, presente e ressucitado no meio de nós.

Devoção: À palavra do Evangelho

Padroeiro: –

Outros Santos do dia: Marçal (bispo) Caio (presb); Leão (subd.); Luciana, Emiliana, Donato (mártires); Ortiano, Teobaldo, Ágabo, Alrico, Alpiniano, Andrônico e Apolo.